04/03/2017 21:22 - Atualizado em 05/03/2017 21:58

GT traz Heitor Villa-Lobos, Eddy Grant, Michael Gore, Andy Gibb e John Frusciante

Coluna deste domingo passeia por horizontes distantes

Redação
Hoje é Dia

Hoje é dia!
Por Ladenilson Pereira, professor e historiador


Por conta da prodigalidade do Olimpo da Música, vamos nos embriagar mais um pouco de boa música neste generoso mês de março; afinal ele está repleto de playlists que deixariam Baco bastante orgulhoso.

Heitor Villa-Lobos faleceu no Rio de Janeiro em 17 de novembro de 1959 - Foto: arquivo

Começando pelo maior compositor erudito brasileiro de todos os tempos, o maestro HEITOR VILLA-LOBOS, nascido em 5 de MARÇO de 1887. Desde a infância interessou-se pela música erudita de origem europeia e pela música popular, discriminada no fim do século XIX e começo do século XX. Amigo de Mário de Andrade, foi incentivado por este a viajar pelo Brasil e tomar contato com as manifestações musicais e culturais populares. Estas permeiam toda a sua obra, com a série “Choros”, as “Bachianas”, os Concertos para Violão e Orquestra, bem como o recolhimento de cantigas de roda às quais ele acabou por dar um tratamento orquestral erudito. Durante o Estado Novo de Getúlio Vargas, conseguiu introduzir o Canto Orfeônico no currículo escolar, realizando concertos no Estádio de São Januário. Sua música foi aclamada na Europa e Estados Unidos, sendo considerado um dos grandes nomes eruditos do século XX, ao lado de Rachmaninoff, Ravel e Stravinsky. Vale conferir o filme de Zelito Viana “Villa-Lobos - Uma Vida de Paixão”, retratando a trajetória e a obra do homenageado. Algumas de suas composições receberam letra de grandes poetas e foram interpretadas por nomes da MPB, como por exemplo “Modinha (Seresta nº 5)”, enriquecida com letra de Manuel Bandeira e que foi interpretada por Nara Leão, Tom Jobim e Danilo Caymmi; bem como “O TRENZINHO DO CAIPIRA” da “BACHIANA nº 2”, recebeu letra de Ferreira Gullar e foi entoada por nomes de relevo como Adriana Calcanhotto, Edu Lobo, Egberto Gismonti, Maria Bethânia, grupo Boca Livre e Ney Matogrosso.

Eddy Grant chega aos 69 anos - Foto: arquivo / divulgação

Mudando radicalmente, as homenagens vão para o reggae do cantor e compositor EDDY GRANT, nascido na Guiana, em 5 de MARÇO de 1948. Com a vinda de sua família para a Inglaterra, acabou por integrar o grupo “The Equals”, em fins da década de 1960. Com a banda, alcançou seu primeiro sucesso, "Baby Come Back". Em carreira solo, na década de 70, suas músicas alternaram-se entre temática social, como “Gimme Hope Jo´anna" (sua letra, uma crítica direta e sem sutilezas ao regime de segregação racial vigente na África do Sul, levou à proibição da canção) e um pop altamente contagiante, proporcionando-lhe grandes sucessos como "Electric Avenue", e "I DON’T WANNA DANCE”.

Michael Gore (à direita de Dean Pitchford) faz 66 anos - Foto: arquivo

Aproveitando a recente entrega do Oscar e a eterna dobradinha bem-sucedida entre música e cinema, as congratulações vão para o compositor norte-americano MICHAEL GORE, nascido em 5 de MARÇO de 1951. Um dos mais requisitados autores de trilhas sonoras de Hollywood, apresenta dentre seus êxitos, as canções dos filmes “Laços de Ternura”, “A Garota de Rosa Shocking”, “O Namorado de Escola”, “Um Visto Para o Céu”, “A Mulher do Açougueiro”, “Superstar” e o oscarizado tema “FAMA”, interpretado por Irene Cara para o filme homônimo.

Andy Gibb faleceu precocemente no dia 10 de março de 1988 em Oxford, Reino Unido - Foto: arquivo

É dia de recordar o talento do cantor inglês ANDY GIBB, nascido em 5 de MARÇO de 1958. O caçula da família dos integrantes dos Bee Gees, curiosamente nunca integrou o grupo com seus irmãos Barry, Robin e Maurice, ao contrário do que alguns pensam. Na verdade, seus famosos irmãos, muitas vezes faziam o coro em suas gravações. Ao ouvir aquelas familiares vozes, os desavisados imaginavam ser uma gravação do antológico grupo vocal. Infelizmente, o retratado artista gravou apenas três discos, "Flowing Rivers", Shadow Dancing" e "After Dark". Suficientes no entanto, para lhe dar um lugar de destaque na História da Música, por conta dos sucessos "I Just Want to Be Your Everything", "Shadow Dancing", "An Everlasting Love", "(Our Love) Don´t Throw It All Away", "Desire", "Warm Ride", "I Can´t Help It" e "REST YOUR LOVE ON ME” (as duas últimas canções, duetos com Olivia Newton-John).

John Frusciante comemora seus 47 anos hoje - Foto: divulgação

Um dia de grandes talentos só poderia ser encerrado com um artista de múltiplas facetas. Falo do guitarrista, cantor, compositor, pintor e produtor musical norte-americano, JOHN FRUSCIANTE, nascido em 5 de MARÇO de 1970. Apesar de possuir consistentes trabalhos solo, o músico é lembrado pelo grande público por conta dos álbuns que gravou com a banda Red Hot Chili Peppers. Suas atuações marcadas pelo virtuosismo bem como pelos improvisos e solos em diferentes tons, angariam-lhe o respeito e o carinho dos fãs, principalmente em “Blood Sugar Sex Magik”, de 1991. Impossível não se render aos sucessos da faixa-título e de "My Lovely Man", "Sir Psycho Sexy", "Give It Away", "Suck My Kiss", "The Power of Equality", "If You Have to Ask" e "BREAKING THE GIRL”. Não se passou nem uma semana deste mês e já desfilaram tantos nomes de peso. Imaginem o que ainda vem...

Ladenilson Pereira

Ladenilson Pereira

Formado em História e Direito pela USP, Mestre em Educação pela Uninove, Professor Universitário na FALC (Faculdade da Aldeia de Carapicuíba), Professor de História no MED Vestibulares e também leciona na rede pública estadual paulista. Ele colabora com o Guitar Talks desde setembro de 2013. Exerce seu primeiro mandato como vereador de Carapicuíba.

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE

RELACIONADAS

FACEBOOK