04/07/2017 21:28 - Atualizado em 05/08/2017 01:26

Trankera nasce com espírito "desencanado-ensolarado"; ouça o som!

Banda lança EP "Licença" e pede passagem para traçar passos fundos na música

Felipe Madureira
Dica GT
Trankera - Foto: divulgação

Os maluko da banda Trankera devem ser uns caras bem zoeiros, pois colocaram em sua lista de influências bandas como Charlie Brown Jr., Mamonas Assassinas e O Rappa. Um "jornalista Ctrl c Ctrl v" já iria escarrar essas verdades como absolutas sem ouvir ao menos um acorde.

Do humor eles devem ter algo do Mamonas, do Charlie há como apontar certa proximidade, pois os santistas ostentavam raízes californianas (até copiavam na cara larga, vide o plágio de "Crush Us All", do Seaweed). D´O Rappa, eles não têm absolutamente nada - em minha opinião.

O quarteto, formado por Henrique Costabile (bateria), Pedro Casella (guitarra), Ablan Namur (baixo) e Viktor Murer (voz), acaba de soltar nas interwebs seu EP de estreia - intitulado "Licença". Eles pedem passagem para traçar extrovertidamente passos fundos na música com aquele espírito "desencanado-ensolarado" tão presente no sul yankee (claro que na califa, não no Texas cowboy na veia).

As três faixas que integram o material apontam o rumo que os leks querem seguir. “Veja” é um skazinho ensolaradim na pegada Sublime, com um teor de boinha. "Paradoxo" também é na praia "Good Vibes" E “Um Rap”, apesar do nome e das rimas, é bem a cara de um Smash Mouth da vida. É bom de se ouvir descendo pra Ubachuva. Lela Brandão assina a capa do EP.

O Trankera nasceu há apenas um ano e teve o disco gravado pelo ex-Muda Ablan (que já trabalhou com bandas como Raça e Ombu). O mano entrou no grupo no meio do processo - uma mudança estrutural que nada atrapalhou nos andamentos do trabalho. Os outros três integrantes já fizeram alguns projetos em conjunto, sendo que o Trankera é, segundo os próprios, o mais "autêntico" dentre eles. E essa "sinceridade musical" merece o play, cuzão!  

“O nome Trankera é como um adjetivo para um tipo de som mais comercial. A ideia é pegar um instrumental bem mastigado e falar umas verdades por trás de uma melodia, pra que num tom de humor a pessoa  pare pra refletir numa frase simples e acaba se aprofundando em tal questão (...)”, explica Viktor.

Ouça "Veja":

"Paradoxo":

E "Um Rap":

Confira a capa do EP "Licença" em detalhes:

Arte por Lela Brandão

Felipe Madureira

Felipe Madureira

O jornalista e músico Felipe Madureira é um dos editores fixos do Guitar Talks desde o começo de 2014. Na época da faculdade, manteve um blog sobre música e artes, entrevistando artistas independentes e redigindo artigos sobre o assunto. Trabalhou com análise de mídia corporativa e agora volta a se envolver com o que mais gosta.

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE

RELACIONADAS

FACEBOOK