15/01/2013 09:53 - Atualizado em 03/09/2013 11:23

O Blues do Brasil: Ricardo Vignini do Moda de Rock conversa com o Guitar Talks

Músicos apresentam projeto em que valorizam a música caipira

Crysthian Gonçalves
Guitar Talks
Ricardo Vignini e Zé Helder - Foto: Fernando Yokota

O estilo que originou o rock and roll nasceu no interior sulista dos Estados Unidos. Pelas mãos e vozes dos negros recém-libertos do período de escravidão, que entoavam nas lavouras canções que embalavam suas sofridas jornadas de trabalho, originava-se o chamado de blues.

No Brasil, a música caipira é originária de “causos” e fragmentos de cantos tradicionais rurais do interior paulista, mineiro, goiano e mato grossense, sempre acompanhados da viola caipira, instrumento de grande importância na cultura brasileira. Pela visão de Ricardo Vignini, nosso entrevistado da semana, “a música caipira é o blues do Brasil”.

Vignini é um dos violeiros da dupla Moda de Rock, que apresenta ao lado de seu parceiro, Zé Helder, um trabalho no mínimo irreverente, transformando clássicos do rock and roll em modas de viola. Eles gravaram o CD “Moda de Rock – Viola Extrema”, com repaginações de músicas de bandas como Led Zeppelin, Metallica, Pink Floyd, Nirvana, Iron Maiden entre outros grandes nomes do rock.

Em entrevista ao Guitar Talks, Ricardo Vignini, que ao lado de Zé Helder também integra o Matuto Moderno, contou um pouco sobre a história do Moda de Rock, a gravação do DVD que contou com participações especiais ilustres, música caipira e rock and roll.

Ricardo Vignini - Foto: Fernando Yokota

Guitar Talks - Conte para nós um pouco sobre como vocês entraram na música e as bandas que passaram. 

Ricardo Vignini - Bem eu tenho banda desde os meus 12 anos. Aliás, antes de saber tocar, toquei no Tomate Inglês e no Cheap Tequila, até montar o Matuto Moderno. O Zé começou a tocar em uma banda de música (aquelas bandas de coreto do interior).

GT – Como vocês tiveram essa ideia de adaptar músicas de rock para a viola?

Primeiro era uma forma de cativar gerações mais novas sobre o potencial da viola, segundo por diversão.

GT - A viola caipira é um dos instrumentos mais importantes do Brasil e faz parte de nossa cultura. Vocês apresentaram esse instrumento a muitos fãs de rock com o álbum “Moda de Rock – Viola Extrema”. Qual foi a recepção do público?

Maior do que a gente imaginava. Tudo começou meio como uma brincadeira e de repente a coisa cresceu e começamos a viajar muito com esse trabalho. Acho que o motivo é justamente o que você citou sobre a importância cultural da viola.

GT - A gravação do DVD “Moda de Rock” contou com diversas participações especiais. Como foi a gravação?

Aconteceram em dois shows aqui em São Paulo, foi uma honra tocar com o Kiko Loureiro e o Pepeu Gomes, dois mestres em suas gerações.

Zé Helder - Foto: Fernando Yokota

GT - Qual a relação de vocês com a música caipira e o rock and roll?  

Amamos os dois. Hoje não separamos a música por estilos e sim por qualidade. Acho que a música caipira é o blues do Brasil.

GT - Ricardo, você tem um selo musical dedicado à música caipira. Como você enxerga a música caipira hoje? 

A música caipira tem uma resistência incrível, passou por todos os modismos e continua viva. Com essa valorização da viola nos últimos anos ela cresceu muito.

GT - Tecnicamente, o que é mais difícil tocar: viola ou guitarra? Música caipira ou rock and roll?

Toda música tem a sua dificuldade, quando eu passei pra viola a maior dificuldade foi a parte rítmica que é o grande barato da música de viola.

GT - Pretendem gravar um novo álbum em breve?

No final de 2013, talvez.

GT - Quais são os planos para esse ano?

Viajar com o Moda de Rock e com o Matuto Moderno que acaba de lançar o álbum “Matuto Moderno 5”.

GT - Gostariam de deixar um recado ao Guitar Talks e fãs do Moda de Rock?

Queria agradecer a todo mundo que dá uma força a nossa trajetória, dependemos de vocês pra sobreviver. Muito obrigado por tudo!

Assista a um trecho do DVD gravado no SESC Pompéia. A dupla interpreta o clássico Mr. Crowley, de Ozzy Osbourne:

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE

RELACIONADAS

FACEBOOK