01/03/2017 10:01 - Atualizado em 13/04/2017 15:49

10 músicas que são retratos do Rio de Janeiro em seus 452 anos

Especial destaca a alma da cidade maravilhosa em seu aniversário

Redação
Guitar Talks

Por Ladenilson Pereira
Professor, historiador e pesquisador musical


Fundada por Estácio de Sá em 1° de MARÇO de 1565, a cidade do Rio de Janeiro comemora mais um aniversário. Única cidade do continente americano a poder ostentar o fato de ter sido capital de uma Colônia, sede de uma monarquia europeia, capital de um Império e de uma República. Tornou-se ainda a única cidade da América do Sul a ter sediado uma edição dos Jogos Olímpicos. Famosa por suas praias, pela beleza escultural de suas mulheres e por possuir o Cristo Redentor, a cidade já foi cantada e decantada em vários ritmos musicais. Contudo, não podemos dizer que tudo foram flores. A especulação imobiliária, o tráfico de drogas e a degradação urbana também aparecem nos versos dos compositores. Assim, nesta playlist, temos toda esta complexidade.

Rio de Janeiro - Arte: Skypher

“CIDADE MARAVILHOSA” – JOYCE MORENO

Composta por André Filho para um concurso de marchinhas de Carnaval, promovido pela então Capital Federal, obteve apenas o segundo lugar, para desapontamento de seu autor e de boa parcela do público que se empolgou com sua belíssima letra. A intérprete na ocasião, a jovem Aurora Miranda, de apenas 19 anos, foi profética: “Não ligue, [falando ao compositor] no futuro ninguém vai se lembrar da primeira colocada.” Como a posteridade costuma reparar grandes injustiças, a música foi mais tarde adotada como hino oficial da cidade.

“CIDADE MULHER” – CAETANO VELOSO e IVAN LINS

O Poeta da Vila a compôs na década de 30, sendo um dos grandes sucessos de Orlando Silva. Estava quase totalmente esquecida quando Caetano Veloso (grande conhecedor da obra do Cantor das Multidões) pediu que Ivan Lins a incluísse no álbum “Viva Noel”, elaborado em 1997. Única canção a celebrar a cidade na obra de Noel Rosa, tem o requinte de usar de licenças poéticas ao longo da letra: compara a cidade a uma mulher e coloca o Salvador como sendo seu filho mais ilustre.

“OS CINCO BAILES DA HISTÓRIA DO RIO” – MARTINHO DA VILA

Dona Ivone Lara, Silas de Oliveira e Bacalhau assinam este que é, sem favor, um dos mais belos sambas-enredo de todos os tempos, levado para a avenida pelo Império Serrano, justamente no Carnaval de 1965, quando a cidade comemorava seu quarto centenário. A letra, resgata o mito grego de Orfeu (que já havia sido utilizado numa célebre peça teatral de Vinícius de Moraes, ambientada no Rio) para ressaltar alguns dos momentos mais gloriosos da história carioca, como por exemplo, o notório Baile da Ilha Fiscal, o último do Império.

“SAMBA DO AVIÃO” – TOM JOBIM e BANDA NOVA

O Maestro Soberano que no início de carreira já havia composto “Sinfonia do Rio de Janeiro” (em parceria com Billy Blanco) voltou a homenagear sua cidade natal. A letra é uma declaração de amor feita a partir do ponto de vista de alguém que está prestes a retornar após uma viagem de avião. Numa gravação posterior, a canção recebeu uma introdução sugerida por Dorival Caymmi: “Eparrê/ Aroeira beira de mar...” A faixa foi uma das responsáveis pelo nome do compositor ter sido atribuído ao aeroporto do Galeão.

“VALSA DE UMA CIDADE” – RITA LEE

Infelizmente, esta joia elaborada por Ismael Netto e Antônio Maria não consta de nenhum álbum da Rainha do Rock Nacional. O registro, disponível no You Tube, é de show feito em 2007 por ocasião da celebração de São Sebastião, padroeiro da cidade. A artista, que volta e meia brinda seus fãs com interpretações de canções de outros gêneros, faz questão de ressaltar que embora paulistana é apaixonada pela cidade e por isto não deixaria passar a oportunidade de declarar isto em alto e bom som.

“RIO” – SYLVIA TELLES

O berço da bossa nova recebeu da afiadíssima dupla Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli esta homenagem antológica. Tudo o que este estilo possui de melhor aí está: uma harmonia sofisticada, uma letra riquíssima (na qual o uso de aliterações torna a poesia ainda mais apurada) e o canto coloquial desta intérprete que, se não houvesse partido tão prematuramente e no auge da forma, teria, sem dúvida, dividido com Nara Leão a honra de ser a principal voz feminina do movimento.

“CARIOCAS” – ADRIANA CALCANHOTTO

A cantora e compositora gaúcha assinou esta faixa que, apesar de seus versos simples e diretos, resume bem a natureza do povo do Rio de Janeiro. Um primor de concisão!

“DERRADEIRA ESTAÇÃO” – NEY MATOGROSSO

No álbum “Um Brasileiro”, totalmente dedicado à obra de Chico Buarque, o intérprete nos brinda com uma canção possuidora de uma visão crítica da cidade. O rompimento do tecido social e os dramas da cidade real, são narrados com muita poesia. Surgem aqui os morros, seus barracos e o tráfico de drogas.

“CARIOCA” – CHICO BUARQUE

O maior compositor brasileiro vivo é outro filho ilustre da cidade. Nesta canção, que abre o CD “As Cidades” de 1998, ele mostra que o dia-a-dia conturbado e caótico da grande metrópole pouco guarda da poética “Cidade Maravilhosa”.

“RIO 40 GRAUS” – FERNANDA ABREU

A intérprete se uniu a Fausto Fawcett, Allen Shamblin e André Young para compor esta música cuja crueza dos versos reflete bem o drama de uma cidade que cresceu excluindo a maior parte de sua população e hoje paga um pesado preço por isto. Contudo, mais uma vez, a beleza natural se contrapõe à feiúra provocada pelo homem, como que a nos proporcionar reflexão e conclamando a recomeçar.

Ladenilson Pereira é autor da coluna diária "Hoje é dia", aqui no Guitar Talks. 



COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE

RELACIONADAS

FACEBOOK