09/10/2017 18:10 - Atualizado em 09/10/2017 18:13

Trazendo "areia na ferida", Dime Cronista lança single em parceria com o Medulla

Rapper paraense reúne referências do cangaço e de obra de Jorge Amado na música "Volta Seca"

Marcos Ferreira
Guitar Talks
Dime Cronista e os irmãos do Medulla - Foto: Altera Films

Após lançar o primeiro single / clipe de sua carreira solo, “Primatas”, registro que trouxe os convidados Garoá e Djonga, o paraense Dime Cronista continua distribuindo sagacidade em “Volta Seca”. Este trabalho contou com a participação de Raony e Keops, do Medulla.

“Depois que lançamos Primatas, eu senti a necessidade de fazer, no segundo single, um paralelo entre a selva de pedra São Paulo e as minhas raízes paraenses”, explica o rapper de 27 anos, natural da capital do Estado, Belém. "`Vindo de cima do mapa, avise o olheiro do Tite´” é como se fosse "`O Norte tá aqui, avisa que chegamos´". A ideia de “Volta Seca” é também trazer o “novo por natureza” – de acordo com Dime. “Contraversão, areia na ferida!”, diz.

Altera Films, assina a direção do registro audiovisual. Já Victor Ambrosio / Casa 1 ficou com a edição do clipe. Léo Cunha/Casa 1 assina os beats, enquanto o músico Garoá ficou responsável pelas guitarras e a percussão.

Dime está dando um tempo no trampo com o grupo Cronistas da Rua e conheceu os linhas de frente da banda Medulla através do diretor de videoclipes Rafael Kent. “O Dime colou lá em casa e a gente ficou em choque com a profundidade do trampo dele e como o Norte e Nordeste gritam na gente de forma natural (...)”, explica Raony.

“(...) Eu e o Keops somos de Recife, mas fomos criados no Rio e São Paulo. Então as coisas do Nordeste que aparecem em nós, assim como com Dime, são frutos de vivência e educação de uma terra muito pulsante em cultura e de um povo pobre que intelectual de uma forma muito verdadeira em sua sabedoria, saca?”, completa.

Foi do livro “Capitães de Areia”, de Jorge Amado, que surgiu a inspiração para o título do single. Volta Seca, um dos personagens da obra, se dizia afilhado de Lampião e sonhava integrar o bando desse. 

O Volta Seca realmente existiu e foi um poeta, compositor e linha de frente no combate ao lado de Lampião, se tornando referência com suas histórias e lutas. Astuto, corajoso e agressivo, ele era um dos homens mais destemidos de sua época.

Confira “Volta Seca”:

E “Primatas”:

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE

RELACIONADAS

FACEBOOK