03/03/2017 14:49 - Atualizado em 07/03/2017 13:06

Djonga e Lívia Cruz fazem um brinde à putaria em "Tamotransandodefato"

Track foi produzida por Leo Casa 1, idealizador do projeto Rap Box

Felipe Madureira
Guitar Talks

Uma parceria louca no rap nacional aconteceu, tá acontecendo. Nada mais nada menos do que a Mc Lívia Cruz fez uma som com o Djonga – um dos baluartes da DV Tribo. Talvez seja a parceria mais quente do estilo no braza, brow.

Vai gerar polêmica no Brasil todo. Não sei. Tem nuances sexistas. Não sei. Um monte de scum bags vai falar merda. Certamente. Mas o certo é que “Tamotransandodefato" vai dar o que falar em alguns setores, bicho. E eu não tenho como ficar julgando se é isso ou aquilo – deixa as minas pra isso. Quero ver o react do Zetre ou de alguém do meio. Sou só um punk-emo-jazzman-rudeboy-psicodélico que curte rap.

Lívia usou versos menos cara dura, mas sexualmente poéticos: “faz Niagara Falls aqui nos meus lençóis/aroma de plantas medicinais/nossas mentes criminais, nós dois livres nas marginais/ele me joga no banco de trás, ele me faz Djavanear Racionais”.

A rapper abusou nas metáforas, mesmo que o refrão é um pouco mais de saída: “nossa sextape é longa-metragem/sugestão pros haters, virem paparazzi”. As linhas de Djonga são o lance que pode gerar discussão, mas é lírica, e lírica pode ser putaria, poder ser o que quiser, menos fascista, disseminadora do ódio. É poesia quente baby, um brinde à putaria e reciprocidade. 

A track foi produzida pelo lendário Leo Casa 1 – do projeto Rap Box – a direção/steadycam é de Márcio Conrado e a edição/pós produção é assinada por Victor Ambrosio. Na assistência de produção tem Yllan Carvalho.

Confira o vídeo:

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE

RELACIONADAS

FACEBOOK