04/08/2017 10:45 - Atualizado em 11/08/2017 11:53

Morre no Rio de Janeiro aos 66 anos o cantor e compositor Luiz Melodia

Artista lutava contra um câncer na medula óssea

Marcos Ferreira
Guitar Talks
Luiz Melodia - Foto: Daryan Dornelles

E calou-se Luiz Carlos dos Santos, mais conhecido como Luiz Melodia. De voz marcante e dono de melodias encravadas no imaginário nacional, o artista faleceu na madrugada desta quinta-feira, 4, por volta das 5h da manhã.

Melodia estava internado no hospital Quinta D´Or, no Rio de Janeiro, para tratamento de um câncer na medula óssea. O músico chegou a se submeter a um transplante de medula, mas não estava reagindo bem às sessões de quimioterapia. Para o jornalista Mauro Ferreira, do G1, o guitarrista Renato Piau, que tocava com Luiz Melodia, informou que seu quadro se agravou bastante ontem, 3.

A família estuda realizar seu velório na quadra da escola de samba Estácio de Sá. A diretoria da agremiação se reuniu para organizar a agenda do local ao longo do dia.

Trajetória

Nascido no Morro do São Carlos, na capital fluminense, Melodia teve uma vida inteira dedicada à música. “Filho do cantor e compositor Oswaldo Melodia, o músico aprendeu cedo toda a ginga, malandragem e picardia típicas do samba. Na década de 60, sofreu forte influência da Jovem Guarda e da black music norte-americana, responsáveis pela incorporação ao seu trabalho de elementos do rock e do soul, respectivamente”, escreveu o historiador Ladenilson Pereira em sua coluna “Hoje é dia”, na ocasião de seu aniverário.

“Numa de suas apresentações, no bairro do Estácio, despertou o interesse dos compositores Torquato Neto e Waly Salomão, que fizeram questão de apresentar músicas suas à cantora Gal Costa”, lembra Ladenilson. A guinada de sua carreira aconteceu nessa época, em 1972, quando Gal gravou “Pérola Negra”, faixa que o colocou na rota dos grandes compositores. A música foi tão marcante que virou uma espécie de codinome que o seguiu durante toda vida (leia a coluna especial na íntegra aqui).

Ao todo foram 16 discos, sendo o último “Zerima”, lançado em 2014. Sua figura se tornou ainda mais popular com participação em trilhas de novelas e minisséries, sendo 15 ao total.

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE

RELACIONADAS

FACEBOOK