09/02/2017 10:33 - Atualizado em 10/02/2017 15:49

Morre aos 79 anos o cantor e compositor Orlandivo, o rei do Sambalanço

Músico ficou conhecido por sucessos como “Bolinha de Sabão”

Marcos Ferreira
Guitar Talks
Orlandivo - Foto: divulgação

Morreu na última quarta-feira, 8, o cantor e compositor Orlandivo. Ele tinha 79 anos e faleceu após passar mal em sua casa no Rio de Janeiro. Dono de canções populares na década de 1960, o artista nascido em Itajaí, Santa Catarina, foi para a capital carioca aos 9 anos e lá construiu sua carreira.

Seu primeiro disco, “A Chave do Sucesso”, de 1962, faz referência à maneira de usar chaves como instrumento de percussão, o que o marcaria por toda a vida. Dono de hits como “Bolinha de Sabão”, “Onde Anda o Meu Amor”, “Vô Batê Pa Tu”, “Palladium” e “Tamanco no Samba”, o músico inspirou nomes como Jorge Ben Jor, João Donato, Elza Soares, Wilson Simonal e Dóris Monteiro. 

Dono da alcunha de Rei do Sambalanço, um sub-gênero musical derivado do samba e que funde elementos do jazz, bossa nova a alguns ritmos latinos, Orlandivo dividiu destaque ao lado de Ed Lincoln e Durval Ferreira.

Faixas como “O Ganso” e “O Amor que Eu Guardei” foram motes para popularizar suas canções na voz de outros artistas como Golden Boys, Conjunto Farroupilha, Humberto Garin, Cauby Peixoto, Angela Maria, Sônia Delfino, Trio Esperança, Claudette Soares, Celso Murilo e Luís Carlos Vinhas, entre tantos outros.

Atuou no cinema em participação nos filmes “Eu Transo… Ela Transa” (1972), de Pedro Camargo, e “Como Nos Livrar do Saco” (1973), dirigido por César Ladeira Filho. Chegou a participar de programas de TV como “Alô Brotos”, “Aérton Perlingeiro Show” e “Chico Anísio Show”, da extinta TV Tupi, e “Faça Humor, Não Faça a Guerra” e “Balança Mas Não Cai”, da TV Globo.

Confira um pouco do seu trabalho:

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE

RELACIONADAS

FACEBOOK